© 2017 por Cerâmica Candelária

  • Facebook - Cerâmica Candelária

February 6, 2018

November 3, 2017

Please reload

Posts Recentes

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Em Destaque

 

A maioria das construções de edifícios convencionais no Brasil utiliza como alvenarias de vedação os blocos cerâmicos furados. No entanto, um dos maiores problemas enfrentados pelo setor cerâmico é a existência da não conformidade técnica intencional, que reflete em benefício somente para alguns fabricantes, revendedores de materiais e construtores e prejudica os usuários finais da habitação.

 

A falta de conformidade técnica prejudica a execução de orçamentos precisos e a modulação das alvenarias, podendo causar maior consumo de argamassa, maiores desperdícios e, assim, elevando o custo da obra. Além do risco de se utilizar blocos cerâmicos que não atendem requisitos mínimos de resistência mecânica e geometria, causando danos irreparáveis, desvalorização e instabilidades estruturais na edificação.

 

Nos últimos anos, estudos e pesquisas apontam para essa padronização na construção civil, como forma de investimento na melhoria da qualidade dos produtos e na evolução dos processos de produção do setor.

 

Para avaliar um bloco cerâmico, precisamos nos atentar para esses fatores de padronização e qualidade. Como são várias as características necessárias para um bloco ser considerado de boa qualidade, podemos nos atentar para certificações que apontam a conformidade ou não da empresa fabricante.

 

Para um bloco cerâmico ser certificado, ele passa por testes visuais, geométricos, físicos e mecânicos. Os detalhes de quais são os requisitos e como são feitas as classificações podem ser encontrados no site do INMETRO: http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/tijolo.asp.

 

Apesar de as empresas hoje serem obrigadas a ter programas de qualidade que as coloquem dentro dos padrões estabelecidos, ainda é percebido muitas falhas nos blocos comercializados – como citado anteriormente, até mesmo intencionais. Um estudo específico, publicado na revista de Engenharia Civil IMED (https://seer.imed.edu.br/index.php/revistaec/article/download/910/647), mostra que, em uma determinada região, até 90% das marcas avaliadas apresentaram algum tipo de não conformidade técnica, mesmo entre aquelas que estavam certificadas.

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square

Cerâmica Candelária

 "Preservando e construindo um mundo melhor"